J.B.ROMANI

Eu colho as pedras do caminho como se fossem uvas e bebo a poeira como se fosse vinho.

Textos

NA ILHA

Venci todos os receios e segui na direção do oceano,
do deserto distante onde eu vivia eu trazia a decepção,
uma sacola cheia de enganos e planos falidos,
um sorriso sarcástico, um olhar desiludido.
 
 
O mar é diferente:  Me disseram.
O vento é suave, as ondas acalmam o espírito,
as ilhas te encantarão com suas palmeiras,
as aves só trazem notícias boas.
 
Maravilhoso...
 
O pequeno barco levou me para longe da terra,
e sei lá de onde veio, um vento forte,
balançamos para lá, para cá,  não caí por sorte,
perdi o prumo e o rumo.
 
Finalmente achei uma ilha,
o sonho do paraíso realizado,
após analisar a situação,
Falei com os meus botões: Tô lascado.
 
Uma fome de cão e nada de refeição,
ilha não é supermercado, comi o que achei,
ovo...Não sei do que, Siri que estava perdido,
pensem num dia sofrido.
 
Hoje... Uma  semana que estou aqui,
no desespero vendo o tempo passar,
bebi água que peguei da chuva,
rezei, chorei, pedi, esperando alguém me salvar.
 
A noite durmo num buraco entre as pedras,
escrevi SOS na areia, ergui uma bandeira, fiz fogueira,
qualquer ruído salto em desespero...
Pensam que é brincadeira?
 
Perdido numa ilha, sozinho, com sede,
frio, fome, dormindo assustado,
sem nenhum dos confortos que eu tinha,
sem ideia de quando serei resgatado.
 
Quer mais... Aqui tem Sereias...
Sim, algumas até que são bonitas,
aqui prá nós...Tem que ter paciência,

não cantam uma música que eu gosto.

 
 
J B ROMANI
Enviado por J B ROMANI em 05/12/2020
Alterado em 18/12/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras